Siga-nos nas redes

Região

Trofa espera pelo Metro há 20 anos. Presidente da Câmara culpa Marcelo.

Publicado

em

O movimento “Metro até à Trofa já” exigiu hoje ao Governo o cumprimento do memorando de entendimento sobre o desenvolvimento da rede do Metro do Porto, quando se cumprem 20 anos de espera pela chegada daquele transporte ao concelho.

A população da freguesia de Muro assinalou hoje, numa cerimónia junto à antiga estação do comboio desativada pela promessa de chegada do metro, as duas décadas de espera, tendo o movimento lido uma carta aberta, a que a Lusa teve acesso, onde recordaram os vários episódios e reveses do processo que, a ser concluído, faria a ligação entre o Instituto Superior da Maia e a Trofa.

(continue a ler o artigo a seguir)


Emissão em direto da Fama Rádio e Televisão também disponível na Smart tv da sua casa. Instale grátis!



O documento é dirigido ao primeiro-ministro, António Costa, e aos presidentes do Conselho Metropolitano do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues, e do Conselho de Administração da Metro do Porto, Tiago Braga.

O porta-voz do movimento e também presidente da Junta de Freguesia de Muro, José Fernando Martins, explicou o que a população perdeu nos últimos 20 anos com a desativação da linha estreita do comboio.

“Para além de perder mobilidade, isso teve implicação noutras situações (…) Houve uma expectativa de investimento no ramo imobiliário, houve famílias que chegaram a comprar casa, mas que depois desistiram, o que fez com que hoje exista uma série de edifícios devolutos que poderiam ser recuperados, mas as pessoas não vêm porque não têm transporte público”, descreveu.

Da população para o setor empresarial, tão importante no concelho, o autarca assinalou que “o desenvolvimento das zonas industriais da Carriça e de Lantemil acabou por ficar limitado devido ao fluxo muito grande de carros particulares na Estrada Nacional 14”, que atravessa o concelho.

Na carta, o movimento expõe os argumentos para que a linha de Metro chegue à Trofa, começando por exigir o cumprimento, pelo Governo, do memorando de entendimento subscrito pelo Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e pela Junta Metropolitana do Porto, em 21 de maio de 2007, e que assegurava a ligação ao interface ferroviário da cidade da Trofa por parte das populações que residem na parte sul do concelho da Trofa e parte norte do concelho da Maia.

Querem também que fique assegurada a “ligação ao Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte, que recebe milhares de jovens e adultos, candidatos a emprego qualificado, promovendo a inserção no mercado de trabalho”, bem como “a ligação em complementaridade com a rede concelhia de transportes intermodais do concelho da Trofa, desenvolvidos em articulação com a MOBIAVE e a Área Metropolitana do Porto, às várias zonas industriais do concelho da Trofa e Maia”.

Sublinham os signatários que estes dois concelhos do distrito do Porto “detêm das maiores empresas exportadoras do país”.

“Assegurar a ligação ao interface rodoferroviário da Trofa, promovendo a mobilidade dos movimentos pendulares entre os concelhos da Maia, Trofa e Santo Tirso com ligação a Guimarães e Famalicão”, no distrito de Braga, e otimizar os “fundos estruturais previstos para o próximo quadro comunitário e Plano de Resolução e Resiliência na concretização de uma obra que potencie uma mobilidade mais sustentável” são também argumentos do movimento.

A intenção do prolongamento do Metro à Trofa, inicialmente denominada por Linha T, existe desde 1999 com término na Estação da Trofa, sendo aproveitado o canal de comboio existente (Linha Porto – Guimarães).

O presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, culpou hoje o Presidente da República, o parlamento e os governos dos últimos 20 anos pela não chegada do metro ao município, assegurando que não falta dinheiro, mas vontade política.

Em declarações à Lusa no dia em que se comemoram 20 anos do encerramento da linha do comboio até à freguesia do Muro, na Trofa, para a instalação da então denominada Linha T, que faria a ligação entre o Instituto Superior da Maia e a Trofa, o autarca social-democrata criticou também os argumentos “falaciosos” da empresa Metro do Porto.

Considerando que “durante 20 anos a diplomacia não funcionou”, Sérgio Humberto afirmou ser hoje “o primeiro dia de uma nova etapa [da luta pela chegada daquele meio de transporte] e que vai começar a ter ações à moda da Trofa”, definindo-as como “ações mais populares, mais envolventes, envolvendo milhares de pessoas [nas ruas em protesto]”.

Para o autarca, quem fica a perder com inexistência da ligação à Trofa é a “região Norte do país”, argumentando tratar-se do “maior corredor nacional de exportação” que abrange o “Porto, Maia, Trofa, Vila Nova de Famalicão e Braga e uma área fundamental de entrada na zona Norte da Área Metropolitana do Porto, pelo que a região entre Douro e Minho fica a perder”.

Apontando a quem falhou neste processo de duas décadas, o autarca não poupou nas críticas nem nos argumentos.

“Falhou o Presidente da República, porque se nascer uma abóbora de 60 quilos no Entroncamento, com todo o respeito que tenho pelo Entroncamento, ele vai lá e faz notícia, mas, em contrapartida, tem medo de vir à Trofa por haver manifestações em prol de uma população e de uma região que merece a vinda deste transporte público, e muito mais em pleno século XXI”, disse Sérgio Humberto.

Para o autarca, também “falha a Assembleia da República porque, ainda há pouco tempo, foi aprovada uma resolução, que mereceu a unanimidade dos partidos, de que quando houvesse dinheiro na Metro do Porto a primeira prioridade era o metro até à Trofa” e, neste momento, “decorrem obras acima dos 300 milhões de euros no metro do Porto” e a ligação à Trofa “continua a ficar para trás”.

“Falharam os sucessivos governos porque andaram a mentir à população, o que não dignifica nem o nosso sistema democrático nem quem faz a arte nobre de fazer política”, concluiu, referindo que, por exemplo, Ana Paula Vitorino, secretária de Estado das Infraestruturas [do governo do PS], foi à “Trofa em 2009 anunciar o lançamento do concurso” e “meses depois anulou o concurso”.

No mesmo ímpeto, o autarca colocou o problema à escala nacional, garantindo que também “Portugal fica a perder, porque esta zona é altamente produtiva, altamente exportadora, contribui fortemente para o Produto Interno Bruto e, portanto, é lamentável que não tenha havido vontade política, porque dinheiro existe”.

Para justificar esta afirmação, Sérgio Humberto argumentou que “só o dinheiro resultante do aumento da taxa geral de resíduos, que em junho de 2021 passou de 11 euros por tonelada para 22 euros, chegava para trazer o metro até à Trofa”.

“Existindo dinheiro do Plano de Recuperação e Resiliência e ainda do PT 2020 e PT 2030 não se pode dizer que [a falta de] dinheiro seja a desculpa, as desculpas agora são os Estudos de Viabilidade Económica e que são dadas pela Metro do Porto e pelo ministério. Isto é falacioso”, criticou o autarca.

E acrescentou: “Dizem que até 2030 vamos ter Metro na Trofa, 2030 é tarde. A população desta região não pode esperar mais, nem quatro, nem cinco nem oito anos. Não baixaremos os braços até o metro chegar ao centro da Trofa”.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

LER JORNAL

pub

Artigos Recentes

Trofahá 36 minutos

Feira anual da Trofa é já uma referência no norte do país

Realiza-se este fim de semana a já tradicional Feira Anual da Trofa. São esperadas milhares de pessoas, neste certame que...

Famalicãohá 42 minutos

Famalicão: Atropelamento rodoviário na Avenida Marechal Humberto Delgado faz um ferido

Uma pessoa ficou ferida na manhã desta sexta-feira, na sequência de um atropelamento rodoviário na Avenida Marechal Humberto Delgado, no...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: CITEVE e Braz Costa destacados como “rostos” da inovação e sucesso da indústria têxtil no concelho

Duas décadas depois, o atual diretor-geral do Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário- CITEVE, com sede em Vila Nova de Famalicão,...

Famalicãohá 3 horas

Famalicão: Campo de férias “Páscoa Aventura” decorre entre 25 e 28 de março

De 25 a 28 de março decorre o campo de férias “Páscoa Aventura”, uma iniciativa dinamizada pelo Município de Vila...

Desportohá 4 horas

Famalicão: Alunos da Academia Louro Kids brilham no Campeonato Regional de Jiu-Jitsu

Os alunos da EB Lml Louro destacaram-se em Vizela, este sábado, no Campeonato Regional de Jiu-Jitsu Sistema de Luta onde...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: Serviços Municipais já destruíram mais de 8 mil ninhos de vespa asiática

Os Serviços Municipais de Proteção Civil (SMPC) de Vila Nova de Famalicão destruíram, ao longo da última década, mais de...

Economiahá 6 horas

Nova semana traz aumento no preço da gasolina mas gasóleo fica mais barato

Os preços dos combustíveis mais utilizados seguem tendências distintas já na próxima segunda-feira, assim indicam as previsões do setor, nesta...

Famalicãohá 6 horas

Famalicão: Casa do Território expõe “10 anos de tesouros” arqueológicos

Uma parte de uma Ara (altar romano), utensílios da Idade do Bronze, o chão de uma lareira do Castro de...

Famalicãohá 6 horas

Famalicão: Infraestruturas de Portugal investe 10 milhões na requalificação da EN206

 A Infraestruturas de Portugal (IP) aprovou o lançamento do concurso público, por 10 milhões de euros, para a requalificação da...

Famalicãohá 7 horas

Famalicão: Trânsito condicionado após colisão rodoviária em Arnoso

O trânsito ficou condicionado na manhã desta sexta-feira, na Avenida Conde de Arnoso, em Arnoso Santa Maria, na sequência de...

Arquivo

Mais Vistos