Siga-nos nas redes

País

Parlamento aprova despenalização da eutanásia

Publicado

em

A Assembleia da República aprovou hoje a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos da maioria da bancada do PS, IL, BE, e deputados únicos do PAN e Livre e ainda seis parlamentares do PSD.

Votaram contra os grupos parlamentares do Chega e do PCP.

(continue a ler o artigo a seguir)


Emissão em direto da Fama Rádio e Televisão também disponível na Smart tv da sua casa. Instale grátis!



A bancada do PS contou com seis votos contra, dos deputados Joaquim Barreto, Pedro Cegonho, Sobrinho Teixeira, Romualda Fernandes, Cristina Sousa e Maria João Castro. Houve ainda uma abstenção do socialista José Carlos Alexandrino.

Na bancada do PSD, votaram a favor os deputados Catarina Rocha Ferreira, Hugo Carvalho, Isabel Meireles, André Coelho Lima, Sofia Matos e Adão Silva. Abstiveram-se três sociais-democratas: Lina Lopes, Jorge Salgueiro Mendes e Ofélia Ramos.

No total, estiveram presentes em plenário 210 deputados.

O decreto segue agora para redação final e ainda tem que ser apreciado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que o pode promulgar, vetar ou pedir a fiscalização preventiva do texto ao Tribunal Constitucional.

No final da votação, ouviram-se palmas dos deputados que votaram a favor.

Nas galerias marcou presença o antigo deputado do Bloco de Esquerda José Manuel Pureza, que esteve envolvido nos processos legislativos anteriores sobre o tema.

A iniciativa tem por base projetos de lei do PS, IL, BE e PAN, e foi aprovada na especialidade na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias na quarta-feira, depois de três adiamentos.

O texto estabelece que a “morte medicamente assistida não punível” ocorre “por decisão da própria pessoa, maior, cuja vontade seja atual e reiterada, séria, livre e esclarecida, em situação de sofrimento de grande intensidade, com lesão definitiva de gravidade extrema ou doença grave e incurável, quando praticada ou ajudada por profissionais de saúde”.

Desta vez, em comparação ao último decreto, os deputados deixaram cair a exigência de “doença fatal”.

No texto consta um artigo com a definição de vários conceitos, entre eles, o de “sofrimento de grande intensidade” que é definido como “sofrimento físico, psicológico e espiritual, decorrente de doença grave e incurável ou de lesão definitiva de gravidade extrema, com grande intensidade, persistente, continuado ou permanente e considerado intolerável pela própria pessoa”.

Uma “doença grave e incurável” é definida como “doença que ameaça a vida, em fase avançada e progressiva, incurável e irreversível, que origina sofrimento de grande intensidade”.

Já “lesão definitiva de gravidade extrema” é considerada pelo texto como “lesão grave, definitiva e amplamente incapacitante que coloca a pessoa em situação de dependência de terceiro ou de apoio tecnológico para a realização das atividades elementares da vida diária, existindo certeza ou probabilidade muito elevada de que tais limitações venham a persistir no tempo sem possibilidade de cura ou de melhoria significativa”.

O texto de substituição estabelece ainda um prazo mínimo de dois meses desde o início do procedimento para a sua concretização, sendo também obrigatória a disponibilização de acompanhamento psicológico.

Na anterior legislatura, a despenalização, em certas condições, da morte medicamente assistida, alterando o Código Penal, reuniu maioria alargada no parlamento, mas foi alvo de dois vetos do Presidente da República: uma primeira vez após o chumbo do Tribunal Constitucional, na sequência de um pedido de fiscalização de Marcelo Rebelo de Sousa. Numa segunda vez, o decreto foi de novo rejeitado pelo Presidente depois de um veto político.

O chefe de Estado vetou este decreto em 26 de novembro, realçando que o novo texto utilizava expressões diferentes na definição do tipo de doenças exigidas e defendeu que o legislador tinha de optar entre a “doença só grave”, a “doença grave e incurável” e a “doença incurável e fatal”.

Na nota justificativa do veto, Marcelo escreveu que no caso de a Assembleia da República querer “mesmo optar por renunciar à exigência de a doença ser fatal, e, portanto, ampliar a permissão da morte medicamente assistida” – algo que acontece no texto hoje aprovado – optará por uma “visão mais radical ou drástica” e questionou se isso corresponde “ao sentimento dominante na sociedade portuguesa”.

Esta quarta-feira, Marcelo garantiu apenas que decidirá rapidamente sobre a lei quando receber o documento em Belém, apontando a altura do Natal como data provável.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

LER JORNAL

pub

Artigos Recentes

Famalicãohá 1 hora

Famalicão: Refood dá a conhecer trabalho desenvolvido no combate ao desperdício alimentar

O núcleo de Famalicão da  Refood, associação que combate o desperdício alimentar e ao mesmo tempo alimenta as pessoas mais...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: Exposição de fotografia mostra aves de Ribeirão 

É inaugurada este domingo, dia 3 de março, nas Piscinas de Ribeirão, Famalicão,  a exposição de fotografia “Ao encontro das...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: incêndio provoca danos materiais num armazém em Joane

Um incêndio provocou, na manhã deste sábado, danos materiais num armazém na vila de Joane, mais concretamente na Avenida Sr....

Paíshá 3 horas

Comboios: foi desconvocada a greve da Infraestruturas de Portugal

A greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) prevista para as próximas terça e quinta-feira foi desconvocada. “A Infraestruturas...

Famalicãohá 4 horas

Famalicão: PS e autarca da UF de Ruivães e Novais “aquecem” sessão da Assembleia Municipal

O presidente da Junta da União de Freguesias (UF) de Ruivães e Novais e a bancada do Partido Socialista envolveram-se...

Paíshá 6 horas

Na próxima semana há nova greve nos comboios. Previstas fortes perturbações para os utentes

Na próxima semana, esperam-se problemas na circulação dos comboios em Portugal Em causa está a greve marcada pelos trabalhadores da...

Famalicãohá 6 horas

Famalicão: Inteligência Artificial é tema para mais uma das Conferências em Educação  

A Escola Padre Benjamim Salgado, em Joane, Famalicão, é o palco para a próxima sessão do Ciclo de Conferências em...

Desportohá 7 horas

Hóquei: FAC e RHAC disputam 19º jornada do campeonato nacional da I Divisão 

Realiza-se, este fim de semana, a 19º jornada do campeonato nacional da I Divisão em Hóquei em Patins. Hoje, sábado,...

Famalicãohá 7 horas

Luís Montenegro encontra-se com jovens em Famalicão este sábado

Luís Montenegro regressará a Famalicão hoje. sábado, para um encontro com jovens de todo o concelho.   O líder da Aliança...

Famalicãohá 20 horas

Famalicão: Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” estreia nova edição este sábado

De 2 de março a 27 de abril, o auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide, volta a receber...

Arquivo

Mais Vistos