Siga-nos nas redes

Economia

Situação do Novo Banco gera “responsabilidade civil”

Publicado

em

A antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, afirmou à comunicação social que a anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”.

A proposta do BE para anular a transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, votada favoravelmente na quinta-feira por PSD, BE, PCP, PEV, Chega e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira, com abstenção de PAN e CDS-PP, “é um número de circo, irresponsável é certo, mas não viola a Constituição, nem a Lei do Enquadramento do Orçamento do Estado”, disse à Lusa o advogado e antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais no segundo Governo de António Guterres (PS), Rogério Fernandes Ferreira.

O também antigo professor de Finanças Públicas e de Direito Financeiro e Orçamental, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, entende que o que a Constituição e a Lei de Enquadramento Orçamental (LEO) impõem é, “apenas, que a lei do Orçamento do Estado ‘tenha em conta’ e ‘em consideração’, respetivamente, ‘as despesas decorrentes de lei e de contrato'”.

“Obrigam, assim, antes de mais, o Governo a incluí-las na proposta de lei orçamental que apresenta à Assembleia da República. Mas não impõem aos deputados, aquando da discussão e aprovação da lei orçamental, a manter essa inscrição. Podem aprová-la ou rejeitá-la ou alterá-la”, advoga o também membro do grupo de trabalho que nomeado por Sousa Franco para a elaboração do anteprojeto da Lei do Enquadramento Orçamental publicado pelo Ministério das Finanças.

Segundo o antigo governante, “as competências nesta matéria e neste período, do Governo e da Assembleia da República, são, respetivamente, a de propor e a de aprovar, ou de rejeitar ou alterar, a proposta de lei do Orçamento”

“Estas competências são exclusivas de cada um destes órgãos de soberania e são absolutas e indelegáveis”, indicou.

No entanto, a proposta do BE, aprovada pelo parlamento, impede “o Governo de cumprir e honrar um compromisso contratual anterior que assumiu em nome do Estado português”, cuja despesa associada “não poderá ser realizada se e enquanto não constar do Orçamento”.

Segundo o advogado, “o certo é que um eventual não cumprimento de uma cláusula contratual pela impossibilidade de realização da despesa (não orçamentada) sempre gerará responsabilidade civil (contratual) e indemnização, quer por danos emergentes, quer por lucros cessantes, certamente a serem declarados por sentença judicial”.

O antigo professor de Finanças Públicas aditou ainda que “também estas ‘despesas decorrentes de sentenças de quaisquer tribunais’ devem ser tidas em conta e ‘consideradas’ na lei orçamental”.

“Ora, durante a execução orçamental, os deputados, mesmo os que aprovaram esta proposta do BE, estão impedidos de propor a inscrição de ‘novas’ despesas”, sob pena de violarem a lei-travão, explanou Rogério Fernandes Ferreira à Lusa.

Assim, “ou a despesa encontra cabimento em sede de rubrica própria ou de rubrica de execução de sentença – o que certamente o valor previsto não permitirá -, ou o circo continuará, impondo, já durante a execução orçamental de 2021, uma nova proposta de lei de alteração orçamental da iniciativa do próprio Governo”, um orçamento retificativo, concluiu.

O plenário do parlamento confirmou na quinta-feira a votação na especialidade da proposta orçamental do BE que anula a transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

Numa votação confusa e que teve de ser repetida, depois de avocada e debatida no plenário, PSD, PCP, PEV, Chega e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira juntaram os seus votos ao BE para viabilizar esta alteração, apesar dos votos contra de PS, Iniciativa Liberal e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, e da abstenção do CDS-PP e do PAN.

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, já admitiu, em declarações à Rádio Renascença e à RTP, que o Governo pode recorrer ao Tribunal Constitucional para analisar a proposta.

No parlamento, João Leão disse ainda que a proposta de anular a transferência para o Novo Banco “viola a Lei de Enquadramento Orçamental, que obriga o Estado a orçamentar os compromissos assumidos”.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

PASSOU EM DIRETO

Publicidade Publicidade

pub

LER JORNAL

Artigos Recentes

Bragahá 7 horas

Braga: Autores de furtos em residências e estabelecimentos comerciais ficam em prisão preventiva

O Tribunal de Braga aplicou prisão preventiva a dois homens suspeitos de furtos em residências e estabelecimentos comerciais registados naquele...

Famalicãohá 9 horas

Famalicão: PS lança críticas ao orçamento e nota problemas nas Festas Antoninas 2024

O núcleo famalicense do partido socialista lança críticas à gestão e planeamento da edição 2024 do Carnaval de Famalicão, levado...

Desportohá 10 horas

Famalicense Maria Luís Pereira assegura presença no Campeonato Nacional de Solo Dance

A atleta famalicense Maria Luís Pereira, do clube da Casa do Povo de Areias (Barcelos), está em competição no Campeonato...

Famalicãohá 10 horas

Famalicão espera novo dia de chuva esta terça-feira

Famalicão espera, esta terça-feira, mais um dia de chuva e temperaturas semelhantes às registadas nas últimas 24 horas, de acordo...

Famalicãohá 11 horas

Famalicão: Novais realiza passeio e exposição de motas antigas

A Associação Desportiva e Cultural de Novais realiza no dia 13 de julho (sábado) o evento dedicado à exposição e...

Bragahá 12 horas

Condutor que atropelou mortalmente jovem de 18 anos em corrida ilegal já foi detido pela GNR em Braga

A GNR deteve o condutor do automóvel que atropelou mortalmente um jovem de 18 anos no parque industrial de Sobreposta,...

Desportohá 12 horas

FC Famalicão: Jhonder Cádiz convocado pela seleção venezuelana para disputar a Copa América

A presença do Futebol Clube de Famalicão na Copa América vai além de Puma Rodríguez. Juntamente com o panamiano, Jhonder...

Paíshá 13 horas

Acidentes do fim de semana fizeram 7 mortos nas estradas portuguesas

Sete pessoas morreram e 11 ficaram feridas com gravidade em acidentes rodoviários no sábado e no domingo, segundo dados provisórios...

Desportohá 15 horas

FC Famalicão: Aston Villa quer Luiz Júnior e vai apresentar proposta

Depois de uma época notável ao serviço do FC Famalicão, as qualidades do guarda redes brasileiro Luiz Júnior têm gerado...

Desportohá 16 horas

Conheça os vencedores da prova de motocross CNMX realizada em Vieira do Minho

A Fama Rádio e Televisão esteve em Vieira do Minho, este domingo, para acompanhar a prova CNMX da Federação de...

Arquivo

Mais Vistos