Siga-nos nas redes

País

Famílias “estão em risco de acabar na rua por não poderem pagar casa”. AICNP pede medidas urgentes ao Governo

Publicado

em

A Associação dos Inquilinos e Condóminos do Norte de Portugal (AICNP) quer que o Governo tome medidas urgentes para ajudar as famílias que “estão em risco de acabar na rua por não poderem pagar casa”, disse hoje uma representante.

“É necessário, para além do [programa do Governo] Mais Habitação, tomar medidas ainda que sejam temporárias para evitar que algumas pessoas acabem mesmo na rua. É urgente fazer alguma coisa”, disse a advogada Alexandra Cachucho que na sexta-feira acompanhou os responsáveis da AICNP na reunião que decorreu em Lisboa com a ministra da Habitação, Marina Gonçalves.

Em declarações à agência Lusa, a advogada de uma associação que tem registadas cerca de 60.000 pessoas falou das “duas grandes preocupações” da AICNP.

“Por um lado, as dificuldades que os agregados familiares hoje em dia vivem para fazer face às suas despesas e qualquer aumento de renda agravará essas dificuldades e, por outro lado, a efetiva premente falta de habitação que se vive neste momento e que se antecipa que se agravará nos próximos meses”, descreveu.

Segundo Alexandra Cachucho, estas preocupações foram registadas e são partilhadas pela tutela que “prometeu voltar a reunir num curto prazo”.

“A associação assiste a um aumento de procura de pedidos de ajuda, aumento do número de associados, aumento do número de consultas semanais que disponibiliza para ajudar os associados. No âmbito dessas consultas, conseguimos percecionar que há várias pessoas que estão mesmo em situação de incumprimento em relação aos senhorios e têm de fazer a entrega dos imóveis, mas na prática veem-se impedidos de fazer a entrega porque não há resposta no mercado habitacional privado, nem na habitação pública”, referiu.

Sobre este aumento de pedidos de ajuda, Alexandra Cachucho apontou que os têm registado há alguns anos, mas neste ano “muito mais consideravelmente”.

“Isto é simples, mas muito difícil: há aumento da procura e necessidade, mas sem aumento do rendimento dos agregados familiares. Há uma grande desproporção entre a oferta e a procura”, resumiu.

A AICNP participou numa reunião na sexta-feira no Ministério da Habitação, sessão na qual também esteve a Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL).

Na sexta-feira, no final da reunião, em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da AIL, António Machado, referiu que a principal preocupação que foi transmitida à ministra da Habitação foi a “insustentabilidade” para os inquilinos de se “aumentarem ainda mais” o valor das rendas.

O parlamento voltou na sexta-feira a aprovar, sem alterações, o programa Mais Habitação, apenas com o voto favorável do PS, numa reapreciação após o veto do Presidente da República.

O diploma aprovado na votação final global de julho, agora confirmado, teve algumas alterações em relação à primeira versão proposta pelo Governo, que não impediram a contestação da oposição e de associações empresariais e da sociedade civil ligadas à habitação.

As medidas mais polémicas e contestadas passam pela suspensão do registo de novos alojamentos locais fora dos territórios de baixa densidade e por uma contribuição extraordinária sobre este negócio, pelo arrendamento forçado de casas devolutas há mais de dois anos e pela imposição de um limite no valor dos novos contratos de arrendamento para casas que já estão no mercado.

O pacote prevê igualmente uma isenção da tributação de mais-valias aos proprietários que vendam casas ao Estado, o fim de novos vistos ‘gold’, o aumento da dedução por dependente no âmbito do IMI Familiar, alterações à taxa autónoma dos rendimentos prediais e isenções de impostos para proprietários que retirem as casas do alojamento local até ao fim de 2024.

PARTILHE ESTE ARTIGO:

PASSOU EM DIRETO

Publicidade Publicidade

pub

LER JORNAL

Artigos Recentes

Famalicãohá 13 horas

3ª marcha LGBTQIAP+ saiu para a rua para defender os direitos da comunidad

Eram poucos, mas com vontade de gritar a plenos pulmões os direitos que defendem para a comunidade LGBTQIAP+.A 3ª marcha...

Famalicãohá 16 horas

Mais de 500 detidos pela PSP esta semana

A PSP deteve, na última semana, 504 pessoas em todo o país. Destas detenções, 145 dizem respeito a crimes rodoviários,...

Famalicãohá 18 horas

Festas em honra do Santíssimo Sacramento em Brufe

No próximo dia 30 de junho, começam as festividades em honra do Santíssimo Sacramento, na freguesia de Brufe. Para além...

Famalicãohá 19 horas

Está de regresso o Mel – piquenique das artes na Devesa

O Mel – piquenique das artes, regressa ao Parque da Devesa no próximo fim de semana, 29 e 30 de...

Famalicãohá 20 horas

Hoje joga a nossa seleção

Portugal entrou a vencer no Euro’2024 e, apesar da dose de sofrimento para bater a Chéquia (2-1), prepara-se agora para...

Famalicãohá 21 horas

Marcha LGBTQIAP+ sai hoje para a rua em Famalicão

Sob o tema “As cores da liberdade” a 3ª marcha pelos direitos LGBTQIAP+ vai para a rua esta tarde a...

Paíshá 1 dia

Parlamento aprovou fim das SCUTS

O parlamento aprovou hoje em votação final global a proposta do PS para eliminar as portagens nas ex-SCUT e nos...

Famalicãohá 1 dia

Famalicão: Colisão no parque de estacionamento do E.Leclerc faz um ferido

Uma pessoa ficou ferida, na tarde desta sexta-feira, na sequência de uma colisão rodoviária no parque de estacionamento do E....

Famalicãohá 2 dias

Famalicão apresenta novo projeto dedicado à Ciência e à Inovação (2024-06-21)

A Semana da Inovação e Ciência terminou, esta sexta-feira, em Famalicão com a apresentação do projeto de requalificação e adaptação...

Vídeoshá 2 dias

3º Convívio das Academias Seniores de Vila Nova de Famalicão

Realizou-se esta sexta feira o terceiro piquenique anual das Academias Seniores de Vila Nova de Famalicão. O programa das Academias Seniores, dinamizado pelo Município de...

Arquivo

Mais Vistos