Siga-nos nas redes

País

Trinta empresas do Norte são suspeitas de fabricar os barcos “voadores” dos traficantes de droga da Galiza

Publicado

em

A Polícia Judiciária suspeita que existem pelo menos 30 empresas no norte de Portugal a construir e vender “barcos da droga” (os chamados “narco-lançamentos”) utilizados pela máfia do tráfico galego.

Estes barcos são de borracha, ou barcos a motor semi-rígidos, com até quatro motores que podem levá-los a velocidades até 30 nós (60 km/hora).

(continue a ler o artigo a seguir)


Emissão em direto da Fama Rádio e Televisão também disponível na Smart tv da sua casa. Instale grátis!



Uma lei aprovada em Espanha, concebida para combater o tráfico de droga por mar, proibiu a construção de embarcações deste tipo em 2018.

Desde então, “muitos espanhóis e galegos começaram a aparecer nos organogramas das empresas de construção náutica na região do Minho”, escreve o Expresso.

A polícia suspeita que “a coberto de negócios legais em Portugal”, estas empresas estão “a aproveitar a oportunidade para equipar os narcotraficantes galegos com as embarcações de que tanto necessitam”.

Muitos dos barcos estão “escondidos em armazéns abandonados no norte e sul do país”, por vezes durante meses, diz Expresso.

Há dois anos, por exemplo, a PJ, a Polícia Marítima e a GNR desmantelaram uma “unidade de produção”… operando clandestinamente numa zona industrial em Faro – “um facto, até então, inaudito na região.

“Entre o final do ano passado e o início do mesmo, as autoridades encontraram vários barcos abandonados, suspeitos de pertencerem a redes de tráfico de droga. Nenhum deles tinha drogas dentro delas”, admite o Expresso.

“Ainda na última semana foram encontrados três (tais barcos) no Algarve: sempre que isto acontecer significa que a operação de descarga da droga terá corrido mal. Ou isso, ou problemas no motor ou outra falha fez desta viagem a sua última”.

“Os traficantes não tendem a reparar os seus barcos”, explica uma fonte policial. “Preferem abandoná-los, porque são pesados, e transportá-los por terra é difícil”.

O PJ acredita que “no mesmo armazém”, perto da fronteira entre Portugal e a Galiza, existem várias empresas de construção naval “coexistindo juntas” e fazendo ‘lançamentos de narcóticos’ para os traficantes de droga.

A polícia quer que Portugal siga o exemplo de Espanha e simplesmente torne ilegal o fabrico de barcos a motor deste tipo. Entende-se que o Ministério da Justiça já criou uma “task force” para elaborar a redacção de uma proposta de lei.

Mas entretanto, enquanto as autoridades não tiverem “provas concretas” do que se está a passar em Portugal, não poderão “avançar”.

“Não podemos fazer nada a menos que possamos provar o propósito ilícito (destas empresas náuticas)”, disse Avelino Lima, coordenador da unidade de tráfico de droga da PJ ao jornal galego A Voz da Galiza. “Temos de ser capazes de provar que os barcos não são para a pesca desportiva regular… e isto não é fácil”.

Três empresas estão particularmente sob os holofotes neste momento, diz Expresso. Uma está no Minho (e tem dois directores espanhóis na direcção); uma está na Grande Lisboa – e outra está “na região ocidental” (Costa Vicentina?).

“Nenhum dos responsáveis quis dar declarações sobre os seus negócios em Portugal ou com a Galiza”, acrescenta o jornal.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

LER JORNAL

pub

Artigos Recentes

Economiahá 3 horas

Prazo para validar faturas alargado até esta quarta-feira

A Autoridade Tributária (AT) prolongou por dois dias, até quarta-feira, o prazo para a validação de faturas relativas a 2023...

Desportohá 4 horas

Famalicense Joaquim Cruz conquista medalhas de prata e bronze nos Campeonatos Nacionais de Veteranos em Pista Coberta em Pombal

O atleta Joaquim Cruz, da vila de Ribeirão participou, este fim de semana, nos Campeonatos Nacionais de Veteranos em Pista...

Desportohá 5 horas

Famalicão: Atletas da escola JING-SHE concluem fase de apuramento para a Seleção Nacional Júnior

A Jing-She Escola de Wushu Kungfu de Famalicão levou três atletas (Lara Marques, com 13 anos, Tomás Marques, com 18...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: “Mínimas” descem até aos 3.º graus em quarta-feira sem chuva

Famalicão espera, esta quarta-feira, mais um dia sem chuva, embora com céus nublados, assim indicam as previsões do Instituto Português...

Bragahá 6 horas

PJ desmantela suposta rede de burlas com cartões de crédito na região de Braga

A Polícia Judiciária deteve hoje cinco homens e uma mulher “fortemente indiciados” por crimes de associação criminosa, contrafação de cartões...

Famalicãohá 7 horas

Famalicão: Torneio Inter-Bombeiros presta homenagem ao “camarada” Sérgio Azevedo recentemente falecido

Foi homenageado, este fim de semana no Torneio 24 horas Inter-Bombeiros realizado pelos Bombeiros Voluntários Famalicenses, Sérgio Azevedo da corporação...

Famalicãohá 8 horas

Famalicão: Análises à concentração de arsénio em Lousado devem abranger rio e campos agrícolas diz o PAN

A necessidade da realização de análises do solo “mais abrangenstes” em Lousado foi destacada pela Comissão Política Concelhia do PAN,...

Regiãohá 9 horas

GNR: Mais de 14 mil pares de calçado contrafeito apreendidos em Vila do Conde. 14 detidos

Esta segunda-feira, a GNR de Vila do Conde deteve sete mulheres e sete homens, cujas idades variam entre os 25...

Famalicãohá 9 horas

Famalicão: Despiste rodoviário em Antas resulta em 2 feridos

Duas pessoas ficaram feridas, ao início da tarde desta terça-feira, na sequência de um despiste rodoviário na Travessa 8 de...

Regiãohá 9 horas

Vila do Conde pondera aplicar taxa turística municipal

Uma taxa turística municipal de um euro por noite, está em discussão pública, no Município de Vila do Conde até...

Arquivo

Mais Vistos