Siga-nos nas redes

Famalicão

Famalicão: Notícias sobre fecho da maternidade “estavam profundamente erradas” diz o médico Diogo Ayres

Publicado

em

O médico Diogo Ayres de Campos lamentou hoje que tenham saído para a comunicação social notícias pouco rigorosas sobre o relatório da comissão de acompanhamento de resposta em urgência de ginecologia e obstetrícia, que causaram “mal-estar” nas populações.

O diretor do serviço de ginecologia e obstetrícia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, que coordenou a comissão criada pela ex-ministra Marta Temido, foi hoje ouvido na Comissão de Saúde a pedido do PSD sobre o eventual fecho de serviços de obstetrícia no país.

(continue a ler o artigo a seguir)


Emissão em direto da Fama Rádio e Televisão também disponível na Smart tv da sua casa. Instale grátis!



Questionado sobre as notícias do fecho de maternidades, o médico negou que essas informações tenham sido dadas pela Comissão de Acompanhamento de Resposta em Urgência de Ginecologia, Obstetrícia e Bloco de Partos.

“Lamento de facto que tenham saído essas notícias para a comunicação social e lamento o mal-estar que isso causou nas populações, mas posso-vos dizer que da comissão, pelo menos que eu saiba, não vieram essas informações de certeza”, declarou.

À questão levantada pelos deputados sobre as razões pelas quais o relatório da comissão não foi entregue na Comissão da Saúde, como foi solicitado, o médico respondeu: “Não me perguntem a mim, por favor”.

Diogo Ayres de Campos esclareceu que fez algumas declarações públicas sobre o relatório porque as primeiras notícias que apareceram “estavam profundamente erradas”.

“Falavam, penso, que eram oito hospitais [passíveis de ser encerrados] e listavam uma série de hospitais, até se falava na Maternidade Alfredo da Costa [em Lisboa] e outras coisas que não fazem sentido nenhum e eu senti-me na obrigação, para não criar mais confusão do que já estava”, de prestar declarações, justificou.

Clarificou ainda que o relatório é “um documento técnico” para a criação da rede de referenciação hospitalar nesta área que se rege de acordo com um regulamento, que necessita ser entregue ao ministro da Saúde – o que aconteceu em setembro – e seguir para discussão pública.

Segundo o especialista, “99% do documento” são aspetos técnicos de organização e no final há uma lista de seis hospitais com cuidados de ginecologia e obstetrícia (Castelo Branco, Guarda, Famalicão, Póvoa de Varzim, Barreiro e Vila Franca de Xira) que, por apresentarem dificuldades nas equipas, nomeadamente falta de profissionais, se admite que possam encerrar “temporariamente ou definitivamente” se isso não implicar riscos adicionais do ponto de vista técnico.

Uma medida teoricamente baseada nas distâncias e na resposta neonatal e que exigiria sempre uma visita ao hospital, como “está claramente escrito no documento”.

Para a comissão, o principal problema nas seis maternidades em causa tem a ver com a falta de equipas médicas e de enfermeiros de saúde materna e obstétrica, disse, salientando que há situações que “são confrangedoras em termos da resposta”.

Questionado sobre a notícia de que as grávidas poderiam ter de pagar taxa moderadora no caso de recorrerem à urgência indevidamente, o médico disse que a informação foi transmitida de uma forma “menos correta” e que “não fazia sentido nenhum” cobrar essa taxa às grávidas.

Diogo Ayres de Campos explicou essa possibilidade só existiria no caso de a grávida insistir em ser assistida nas urgências, apesar de lhe ter sido marcada consulta para o dia útil seguinte no centro de saúde ou para a consulta aberta dos hospitais.

PARTILHE ESTE ARTIGO:
Publicidade Publicidade

LER JORNAL

pub

Artigos Recentes

Famalicãohá 41 minutos

Famalicão: Veículo parcialmente consumido por incêndio na Avenida 25 de Abril

Um incêndio deflagrou, ao final da tarde desta sexta-feira, num veículo ligeiro que circulava na Avenida 25 de Abril, em...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: Sara Barros Leitão apresenta “Guião para um país possível” na Casa das Artes a 15 e 16 de março

A atriz e dramaturga Sara Barros Leitão vai levar o espetáculo “Guião para um país possível” a 15 cidades portuguesas...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: Chuva prevista ao longo de todo dia este sábado

Famalicão espera, este sábado, um dia de chuva que se deverá fazer sentir ao longo de todo o dia e...

Famalicãohá 2 horas

Famalicão: Câmara questionada pelo PS sobre presença de arsénio no terreno do futuro Terminal Ferroviário

A presença de arsénio nos terrenos para onde está prevista a construção do terminal rodoferroviário da Medway, em Lousado, foi...

Desportohá 3 horas

FC Famalicão apresenta nova secção de BTT

O FC Famalicão apresenta a sua nova secção de BTT, um coletivo composto por 14 atletas, abrangendo diversos escalões, desde...

Paíshá 3 horas

Membros de 64 coletivos saem à rua este sábado para se manifestarem contra o racismo e xenofobia

Um grupo de 64 coletivos está a convocar uma manifestação contra o racismo, a xenofobia e o fascismo para sábado,...

Famalicãohá 4 horas

Rotary Club de Famalicão comemora mais um aniversário e traça projetos para o futuro

O Governador do Distrito Rotário 1970, Duarte Besteiro, realizou uma visita ao Rotary Club de V. N. de Famalicão esta...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: A dança, pela Companhia ITZ-Intranzyt, está de volta à Casa das Artes

A dança e as emoções regressam à Casa das Artes de Famalicão com uma nova criação do coreógrafo chinês Menghan...

Famalicãohá 5 horas

Famalicão: Homem de 43 anos detido após ameaça com arma de fogo

A PSP deteve hoje um homem de 43 anos suspeito de ameaça com arma de fogo em Vila Nova de...

Desportohá 6 horas

FC Famalicão é “das equipas mais fortes da Liga. No ataque à profundidade, nos cruzamentos, no jogo longo para o Cádiz”. Treinador do Arouca ciente das dificuldades para o jogo de hoje

O treinador do Arouca, Daniel Sousa, desvalorizou hoje a recente derrota frente ao Casa Pia (1-0) no percurso dos ‘lobos’,...

Arquivo

Mais Vistos